28 março 2012

Hóspede chifrudo...rs

Esse bichinho estranho foi encontrado aqui no bairro do Barreiro pela Fiinha, depois de uma sessão de fotos, foi devolvido ao seu habitat natural.  






Ceratophrys ornata, habitualmente conhecido por sapo-boi, sapo-de-chifre, ou ainda sapo-untanha, é originário do sul do Brasil e Argentina. Na realidade ele é uma rã, mas por ser grande (cerca de 20cm de comprimento e 500 gr de peso) e ter uma pele rugosa, parece mais um sapo que uma rã.
O anfíbio possui elevações acima dos olhos que lembram dois chifres, dando-lhe uma aparência ameaçadora para as presas e predadores, tentando evitar ser atacado.
A rã Ceratophrys ornata tem hábitos noturnos e passa quase todo o dia inteiro enterrado, perfeitamente camuflado, no meio das folhas, ramos e pequenas plantas do solo de florestas tropicais, saindo apenas à noite para se alimentar e procurar fêmeas para acasalar. É conhecido pelo tamanho da sua boca e por ter um grande apetite, mostrando-se bastante destemido. Come quase tudo, desde que caiba na boca, e quando não cabe ele esforça-se, alimentando-se de invertebrados, pequenos vertebrados e peixes.
O desflorestamento, as queimadas e o aquecimento global tem vindo a destruir o habitat do sapo-de-chifre, diminuindo a sua população. Os anfíbios, em geral, são muito sensíveis às alterações do seu ambiente, o que tem extinto muitas espécies e muitas outras estão ameaçadas de extinção. É fundamental a sua conservação.

Um comentário:

  1. A identificação deste anfíbio está incorreta na postagem.

    Trata-se do Proceratophrys appendiculata.

    Uma espécie que ocorre no Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro.

    Mede cerca de 5 cm, portanto muito menor que a espécie citada na postagem, que pode chegar a 25 cm.
    Além dos dois apêndices na região superior da cabeça, uma característica totalmente marcante desta espécie é a presença de um terceiro apêncice, bucal.
    O padrão do formato das manchas negras no dorso também é uma característica importante que favorece a identificação.

    Na região, sim, ocorre uma espécie de Ceratophyidae, o Ceratophrys aurita, muito difícil de ser encontrado pois apresenta hábitos fossoriais.

    Se vocês têm interesse em identificar a anurofauna local, tirem fotos (dorso, ventre e interior das coxas) e enviem para um herpetólogo que realizará a correta identificação.

    ResponderExcluir